quarta-feira, 27 de maio de 2020

Arbitragem no Brasil, entrevista com Dr. Marcondes Souto da CMARB

Este texto não é um artigo comum, tampouco um texto, é apenas uma introdução à postagem de uma entrevista realizada, via videoconferência (pelo #Zoom), com o Dr. Marcondes Souto, um excelente profissional da Área da Mediação e Arbitragem, atuante no Recife- PE, em sua Câmara denominada CMARB (Câmara de Conciliação, Mediação e Arbitragem).

Convido a todos que passarem por aqui a visitar o site dele, lincado acima (e no final), exatamente no nome da Câmara; além disso, convido-os a assistir o vídeo que será anexado no final desta introdução porque é nele que você terá todas as informações acerca do tema Arbitragem.

Vale lembrar, em especial para os colegas do Direito, que a Arbitragem e a Mediação não tiram o Advogado do meio, ele é necessário, na Arbitragem é imprescindível, então não há nada com que se preocupar em perder cliente; por isso, sempre reafirmo aos colegas que uma 'coisa' não exclui a outra!  

Acreditem, vale a pena aconselhar seu cliente a resolver um conflito que chegar até você em uma Câmara - tudo mais rápido e o custo então, nem se fala (em comparação com a Justiça Estatal)..., lembrando, ainda, que é você e a outra parte, quem escolhe a Câmara; na Comum, na Estatal, não há escolha, a sua causa "cairá" na mão de qualquer Juiz da área - imagine que ele tenha suas convicções, mais para um lado que para o outro (e este outro, não seja o seu lado?). 

Pois é, pensem nisso! Na Arbitragem, tanto quando há Contrato prévio, como em um fato ou caso aleatório (onde não há contrato), são as partes que escolhem a Câmara e o Árbitro.

JUSTIÇA COMUM: Imagine que, além de demorar anos para resolver um conflito, você pode ganhar e não levar, pois a pessoa 'devedora', em alguns casos, terá perdido tudo ou até ter falecido; assim, não haverá mais nada a ser penhorado. Na Arbitragem é tudo mais rápido, simples e o custo nem se fala!

No final das contas a Arbitragem e a Mediação fazem parte do futuro na Advocacia - quem gosta de brigar, a todo custo, por uma causa, vai ficar para trás - LEMBREM-SE DISSO  e avante, aprender é sempre importante!  

Infelizmente foi o #Corona (#Covid19) que veio para fazer com que nós nos atentássemos mais para isso do futuro da tecnologia na resolução de um conflito, e a Arbitragem, tanto quanto à Mediação podem ser realizadas via videoconferência; só em alguns casos é que você necessitará de uma homologação judicial, Parecer do Ministério Público ou passar pelo crivo Judicial (estatal), mas é raro.

Nada será como antes, o Brasil é que está para trás há algum tempo nesse tipo de Justiça; até nosso vizinho, Argentina, e a maioria dos países Europeus, e os EUA já se utilizam da Arbitragem e a Mediação, nós, brasileiros, todavia é que estamos aqui, meio que estagnados, apesar de a Lei de Arbitragem (a oficial) ser de 1996 (Lei 9.307/1996), e a de Mediação (13.140/2015).

Entretanto, atentos ao vídeo, pois o Dr. Marcondes é fera no Assunto (em ambos)!  Quem é da área jurídica, atua como Advogado, não pode perder essa oportunidade de Conhecer, mais a fundo, a Arbitragem, e quem não é do Direito pode se interessar pela área e tornar-se também um Mediador ou Árbitro ("quase nada", impede)!

Grata estou por este presente (a presença e conhecimento) que o Dr. Marcondes Souto ofertou ao nosso canal Advogada Elane Souza - Diário de Conteúdo Jurídico.

Para maiores informações sobre resolução de conflitos, via Mediação ou Arbitragem, você encontra em: 

http://www.cmarb.com.br/ , Creio que nesse mesmo link encontrará seus contatos telefônicos e direcionamento à outras redes sociais.

A SEGUIR, O RESULTADO EM VÍDEO:


A live, como de costume, 'conduzida' por Elane Souza, Advogada e Mediadora, autora dos seguintes Blogues, sites e canal do youtube: https://www.diariodeconteudojuridico.com/

domingo, 24 de maio de 2020

Direito Ambiental e Mediação, entenda como e quando pode

Este não é um artigo, tampouco um texto onde poderíamos discorrer acerca do tema, trata-se de uma introdução à videoconferência realizada no dia 15 de maio de 2020, onde a Dra. Ana Barbosa, Mestre em Direito Ambiental, Pós graduada em Gestão Ambiental e também Mediadora Restaurativa de Conflitos nos conta como e porque o Direito Ambiental também poderia passar, após crivo do Ministério Público, por uma Mediação.

A videoconferência foi realizada via ZOOM, onde vários colegas do Direito e da Mediação se fizeram presentes e no final alguns tiraram suas dúvidas acerca do tema em questão.

Não percam, foi muito interessante estar presente "mediando", ou seja, realizando a entrada dos presentes, e 'elaborando' grande parte das perguntas.

Grata estou por este presente (a presença e conhecimento) que a Dra. Ana Barbosa ofertou ao nosso canal Advogada Elane Souza - Diário de Conteúdo Jurídico.

Você pode encontrá-la em: 

A SEGUIR, O RESULTADO EM VÍDEO:


A live, como de costume, 'conduzida' por Elane Souza, Advogada e Mediadora, autora dos seguintes Blogues, sites e canal do youtube: https://www.diariodeconteudojuridico.com/

segunda-feira, 27 de abril de 2020

Justiça Restaurativa e Justiça Retributiva complementam

Muita gente ainda não entendeu, apesar dos anos de existência, que a Justiça Restaurativa "nasceu" para dar um olhar especial a vítima, desta feita NÃO como uma simples testemunha colaborativa de um processo retributivo, mas como parte essencial (interessada, envolvida e muitas vezes, bem machucada) - 'o olhar', na Restaurativa, vai além de enxergar a vítima  como uma simples testemunha!

quinta-feira, 23 de abril de 2020

Resolução de conflitos - TJPE faz videoconferência em tempos de Covid19


A Plataforma Emergencial de Videoconferência instituída pela Portaria nº 61 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) passa a ser usada pelo Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) para a realização de audiências de conciliação virtuais. A medida tem como propósito ampliar as ferramentas utilizadas para garantir o atendimento das partes em tempos de pandemia de coronavírus (covid-19).

sábado, 4 de abril de 2020

Mediação de conflitos em tempos de Pandemia

Apesar de muitos Tribunais (Justiça em "geral") entrar em quarentena, ou diminuir drasticamente seus trabalhos, especialmente para àqueles que necessitam das partes e Advogados presentes, como no caso das audiências (em Juízo ou as de conciliação e mediação, realizadas pelos CEJUSCs), ainda hoje, mais de mês com a epidemia, passando ao nível PANDEMIA, o Brasil segue com a Justiça meio parada, não tomou as providências necessárias (alguns Estados dizem que sim), para que os profissionais do Direito possam continuar trabalhando, sem muito entrave (e sem exposição).

domingo, 8 de março de 2020

Advocacia Colaborativa: uma prática que conduz a acordos, sem o 'martelo' frio do Judiciário

Stuart Webb, um Advogado norte-americano, atuante no Direito de Família, muito chateado com a maioria das causas que atuou (pelo desgaste emocional das partes, dos filhos e, inclusive seu - mesmo quando ganhava a demanda), decidiu inovar porque ele entendia que, em conflito judicial de família, ninguém realmente ganha(va).

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2020

Quando ser feliz é melhor que ter razão

Para quem ainda não sabia, a Mediação, a Negociação, a Conciliação e a Arbitragem são milenares; desde a época de Cristo e muito antes, já solucionavam conflitos a partir dos modelos citados e de muitos outros; 

CITAÇÃO DA MEDIADORA

"Legalize mediando, porque mediar é legal" (Por Elane F. Souza - Mediadora Judicial e Extrajudicial )

OBRAS INTERESSANTES

  • Nada és tan Terríble - por Rafael Santandreu Psicólogo-ES
  • Meditações - MARCO AURÉLIO (Imperador romano e Filósofo estóico)
  • La Brevedad de la vida - SÊNECA
  • Inquirídion (Manual de Epicteto), por Flávio Arriano
  • Depredadores Emocionais ou Tóxicos Narcisistas - por Elane Souza

Seguidores